Pedaços de mim

by

Coloquei “secos e molhados” para ouvir, a voz do Ney é uma rara delicadeza as almas sensíveis… Enquanto cada faixa presenteia meus ouvidos e me livra dos acontecimentos do dia que não foram ruins, eu escolho o que fica e o que se vai do meu guarda-roupa. Exercício costumeiro a cada final de ano, desta vez, deixei para agora: o começo. Peguei uma camisa de manga curta nas mãos, é da Zara, azul marinho que me caiu tão bem por tanto tempo, principalmente quando adoeci e perdi muitos quilos. Que companheira! Senti-me tão bem usando essa camisa. Mas é hora de dizer adeus… Despedir-me dela me fez querer escrever essas linhas… Você já pensou que por todos os lados estamos rodeados de recordações?

Cada coisa que temos é um pedacinho nosso, da nossa história, da nossa vida… Essa camisa, por exemplo, me vestiu por muitos anos e por anos muito felizes. Ai, ai, ai, se ela falasse! Deu vontade de beber vinho… Lembrei-me de noites de uma triste solidão de anos atrás… Noites que deixaram de existir já faz muito tempo… Peguei uma taça e cá estou com ela e um pouco de vinho português, meu preferido. E o seu, qual é? Não gosto de vinhos chilenos, não me condenem.

“O verme passeia na lua cheia” – Canta o Ney… E me encanta. E te encantaria também se estivesse aqui, senhor capitão… Provo uma calça, coloco outra… Deus, como eu engordei. Que bom! Alguém vai ficar feliz em receber essas calças praticamente novas. Olhando para elas no chão separadas, me dei conta do quanto gastei com prazeres momentâneos. Pequenas futilidades que nos enchem de uma alegria passageira ou não. Nossas roupas nos fazem felizes. Enquanto a gente as usa, a gente se sente bem… Mas chega a hora do desapego.

Casacos e blazeres são os mais difíceis de se desfazer, nunca se sabe quando virá uma nova viagem ou como será o próximo inverno… Tenho uma jaquetinha preta muito conhecida, de couro, presente de um ex muito querido… Talvez, o mais querido. Acho que ele nunca acertou tanto num presente para alguém como acertou em me dar essa jaqueta. Uma Armani linda que se eu pudesse passaria toda a temporada de frio usando. Que saudade que me deu dele… Daqueles dias… Percebo que sinto saudade daqueles dias, não de quem eu era naqueles dias…

“Na simples e suave coisa/Suave coisa nenhuma/Suave coisa nenhuma/Sombra, silêncio ou espuma/Nuvem azul/Que arrefece”. A voz de Ney agora se mistura as outras vozes da banda. Nada se compara. E esse coletinho da era nude, bem das antigas? Pensei em coloca-lo na pilha de doação, mas é Zoomp, uma raridade e ainda cai tão bem com uma camisa branca… Preciso usar. Fiquei com ele. Interessante observar o armário e ver os nossos gostos de ontem misturados aos gostos de hoje. O eu de ontem lado a lado com o eu de hoje. Tem certa disparidade, dá para notar nas camisetas, nas golas vês que não ficam mais tão bem. Cachecóis eu amo, todos os tipos, meu ultimo foi um azul maravilhoso numa liquidação da Riachuelo no ano retrasado e só em Campos do Jordão que consegui comprar um vermelho sangue, que procurei toda capital.

“Ah, esse meu sangue latino… Minha alma cativa”…  Já os cashmeres perderam a graça para mim depois que o João Dória ganhou as eleições com eles nas costas. Todos na pilha para doação, sem dó. Depois de três tentativas ao longo dos últimos anos, um Cardigan cinza mescla da Osklen se vai… Ele foi tão desejado por uma amiga, ela era garota de programa, me remeteu a dias de muitas festas, muitas baladas e secretas loucuras… Perdemos-nos de nós mesmos e do tempo. Mas sei daqui, que ela lá, está bem e és feliz já com marido e filhos. Coloquei Adriana Calcanhoto, e com a taça de vinho vazia, a música “esquadros” (que eu tanto amo), guarda-roupa mais vazio; termino essas linhas admirando essa pilha de tanta historia… Uma pilha que representa pedaços de mim e que agora se vão junto com tudo o que se renova dentro de mim. Todas essas marcas que eu cito acima foram um dia foi para mim sinônimo de status, hoje, não passam de uma pilha de coisas para doação. E diante disso vou continuar defendendo minha tese de que sim, a vida é sim feita de fases. Ainda bem que existem varias.

Comentários

comentários