Fragmento de amor e co-dependência

by

“Não sei se o amei… nem sei se o que senti foi amor… Sei que o quis e nesse querer havia mais que amor, havia a mim e essa sentimentalidade incompreendida, esmagada pelo meu grande eu… Se o amei, foi porque, amei a mim… Esse “mim” que estava estampado nos seus olhos com ar pidão e carente de menino que dependia do seu sim… era tudo o que eu podia… ofereci amor e não fiz, e se não fiz,  foi por medo de alguma coisa mais profunda que não descobri. Era insano o  que sentia e que despejei sobre seus ombros leves tornando-os pesados de mim… Deus, quem aguentaria tanta co-dependencia? Sei que talvez, pela primeira e única vez: amei”.

Comentários

comentários