Dias assim…

by

Tem dia que a gente acorda em conflito… Todo mundo acorda assim, até os comediantes (acredito eu). Esse dia é aquele que nem tudo basta, não basta. É a manhã que chega cheia de energia e que você a poda, diz: fica quietinha, fica. Só quero dormir mais um pouquinho.
É dia que nem toda saudade é o bastante… As lembranças não ajudam muito. Nostalgia então é poro. Você vai a janela observar o céu e se vê, sabe-se Deus onde. E se pergunta: o que estou fazendo aqui? Que vida é essa, o que trago comigo? E constata… Tanta coisa. Então começa a comparar sua vida com a de outras pessoas, de preferência as mais sucedidas financeiramente ou intelectualmente, que seja!  Pensa nos livros que ainda não leu e nos segredos do universo que estão ocultos, as histórias que ainda não contou. Você acorda com vontade de ir ao cinema e assistir um seriado morto já ajuda. Fica em duvida com a cor de camiseta: a vermelha ou amarela? E sai com a branca velha e amassada.
É um dia que você não quer ser visto ou encontrado, mas quer ver ou encontrar… Qualquer surpresa serve. Um conhecido. Alguém que te inspire vida. Em seguida é hora de pensar o quão irresponsável você é com sua família, ausente, incompreensivo e altivo. De repente se da conta que sua família é você mesmo. Um anjo bom sopra ao seu ouvido “você é altruísta também”… Obrigado anjo. Nem tanto.
Hoje acordei me sentindo um nada, ou, sentindo nada… É uma sensação estranhamente partilhada e conhecida por tantos, escrita tão magnificamente por Clarice Lispector, pelo Caio Fernando Abreu. É como se eu estivesse dentro d’água. Ouço tudo confuso. Essa é a palavra: confusão. Meu conflito é parte dessa confusão na qual minha alma encontra-se sem aviso.  Não é insatisfação, é a ausência dela: da satisfação. E não é na vida, é em mim. Esse dia do qual trato é aquele que você olha para o céu e enxerga um imenso quebra cabeça e percebe que faltam peças. Quais?  Os sábios, os cultos, as experiências me diriam: calma, isso passa, as peças virão com o tempo, você é jovem ainda, isso é normal para sua idade.
Idade! Esse ano eu encerro mais uma década, de muitas espero, ou não. A questão é que não quero ouvir esses conselhos, porque, isso por mim já sabido e aceito. Não trato de futuro, refiro-me há esse dia, o de hoje… O bom é que esse dia, como os outros terá apenas 24 horas. E não tenho nada para concluir, uma amiga diria: Lucas ficou meio inconclusivo e tal… Pois é C. B., eu não quis concluir, pois inconclusivo estou.

“Escrita originalmente no alto verão de 2014, antes do início da terapia, muitas coisas mudaram. Entre elas, as peças do quebra cabeça começaram a se encaixar. E esse vazio, essa sensação de nada já não existe mais”.

Comentários

comentários