Correio Virtual

by

De: Lucas 

Para: J.B.

Cara amiga,

o amanhã para qual eu escrevo, já é hoje; na verdade. São mais de duas da manhã de hoje e sem ainda dormir escrevo do ontem para ti. Estava aqui, filosofando… Vendo uns vídeos e depois tomei um banho para refrescar essa noite tórrida de outono e no banho quase constatei: Por que as pessoas tem tanta dificuldade de falar de si mesmas? De mexer em si mesmas? Tudo se resume ao medo de mudanças? Juro não entender… Queria. Mas não vejo mal em algo que só faz bem pro nosso crescimento – a mudança. Te escrevo isto porque comecei a me corresponder com outras poucas pessoas por e-mail; e sempre pergunto coisas sobre elas, me interessa saber miudezas. Saber os detalhes que contornam cada ser com quem me comunico. E como em nossos muitos e-mails acabo partindo para a reflexão, para a filosofia cotidiana… E as pessoas demoram muito para responder… Demoram dias e as vezes semanas e a desculpa é sempre a mesma: falta de tempo.

Será? Demoram tanto que chego a pensar que preferem não responder para não terem de se olhar. Da uma tentativa de se encontrarem… Como se… Como se estar perdido é tudo o que elas possuem, conhecem e então se apegam a isto. Existem demoras que a falta de tempo simplesmente não justifica… Será que estou louco?

Um beijo, minha amora.

De: J.B.

Para: Lucas 

Oi, gota de orvalho.

Li um post no facebook… Sim, no face! Kkkk De vez em quando aparecem algumas coisas úteis, que não servem apenas para “discutir” política ou para rir… Nele, a mensagem dizia sobre o tempo… Ah, o tempo…a falta de tempo. “Tempo, tempo, tempo” – me lembra do show divino da Bethânia e suas belas e magníficas declamações, interpretações… Bom, voltemos ao post. Nele, a mensagem que dizia que é difícil, no mundo de hoje, as pessoas doarem-se a outras, porque doar-se ao outro, toma tempo e nem todos estão dispostos ou compreendem, no mundo de hoje, a importância de tal ato… De amor, porque não! Digo isso por experiência própria. Eu não entendia e, por isso, acabei perdendo uma amizade. E Hoje em dia, tento me policiar ao máximo quanto a isso no que diz respeito às pessoas que importam para mim. Não é nada fácil, pois as atividades que temos durante todo o dia são muitas e muitas vezes, chegamos ao final do dia esgotados, querendo apenas um bom banho, no meu caso, um chá e cama! Doar-se, nos dias de hoje, além de um ato de amor, considero como um sacrifício e esforço no qual devemos engendrarmos cada dia mais. Para que possamos ir além das relações superficiais… Tenho aprendido muito, acredite!kkkk

Falar de si mesmo… Eis uma questão tão filosófica e antiga como o planeta… Sócrates, um dos grandes filósofos gregos, já nos questionava sobre essa árdua tarefa com a sua mensagem “Conhece-te a ti mesmo”. Se não conhecemos a nós mesmos, como vamos lidar com o outro? Temos medo e preguiça de mergulharmos dentro de nós mesmos, pois podemos não gostar do que vamos encontrar. Engraçado que comecei com essa frase de Sócrates e umas tirinhas da Mafalda falando justamente sobre isso aqui nas minhas aulas na Universidade… Nas duas turmas que dou aula. Discutimos e pedi aos alunos que os definissem em uma palavra. Muitos não conseguiram dizer nada. Ficaram mudos. E alguns disseram que é muito mais fácil falar do outro. Fato. As profundezas do nosso oceano interior desconhecido…Termino, como sempre, intertextualizando… kkkk, adoro fazer isso!

Pois é… E se eu não gostar de mim depois que fizer essa reflexão? E se as descobertas não forem boas? O que fazer?

Um abraço carinhoso e apertado em vc, meu lírio!

Comentários

comentários

No tags 0