33 abraços

by

Quando olho para mim mesmo posso ver cores que quase ninguém consegue ver… são as cores do caráter que se forma, que se transforma, que se entende e se desentende consigo mesmo todos os dias numa fuga consciente da tolice profunda, do medo da tolice que me faz rir, me faz esquecer… esquecer e continuar. Essas cores são como luzes em forma de fumaça que vai se desmaiando no ar.

Meu caráter é isso aqui, aquilo ali e está ligado aos meus erros do passado e as imprudências do meu agora e longe de qualquer constatação futura… O tempo me mostra a diferença nas expressões da face, nos fios esbranquiçados que começam a brotar nos cabelos e então a nostalgia me leva há uma década atrás.

Quem era eu aos 23 anos? O que fazia e o que sentia, como sentia e porque sentia?

Quanta bobagem! Imaturidade e erros gigantescos. Mas que me permito ver de forma atraente, aprazível; aquele meu melhor. Foi o meu melhor. Talvez se voltasse no tempo faria tudo novamente, sem mudar uma virgula. Se mudasse não seria mais eu. E eu não seria hoje quem sou. Seria diferente. Para melhor, nunca, em absoluto; nunca saberei.

Completei 33 anos e voltei a ter ambições, da mesma forma que encontrei novos objetivos para se continuar vivendo; existem fases da vida que só acordar e ser feliz por ser vivo não é o suficiente… é preciso olhar la dentro, ver o que nos toma… aceitar quem se é e parar com a culpa, com as ansiedades… a culpa é a tarefa mais dificil, posso afirmar que está sendo minha maior descoberta do ultimo ano: eu posso errar.

Ninguém tem certeza do que é o acerto, ou tem?

Mas convenhamos que gostar de errar já é gostar de viver com uma mala de problemas a tira colo… E malas assim eu prefiro nem ter.

Jantei com amigas, recebi belíssimos telefonemas, e abraços sinceros só de gente delicia. Que delicia isso, mesmo! Terminei a noite com rosas amarelas, minhas prediletas, a minha espera na portaria do prédio. Que mimo bom! Eu adoro ter amigos… as comemorações não findaram, ainda tem mais, final de semana tem mais… com tanta coisa ruim acontecendo no mundo não podemos deixar de celebrar a vida quando estamos no caminho escolhido. É ou não é amores meus? 33 abraços em cada um que torce por mim e… e… e… á merda quem não torce. Ops, escapoliu. Mas vou terminar assim (risos).

      TIAGO IORC Tempo Perdido (Trilha Sonora 'Os Dias Eram Assim')

Comentários

comentários